Nesse ano não faltaram pessoas pra acreditar que eu seria aprovado, colegas do ifsul, antigos professores e também o pessoal do cursinho. Mais importante que isso foi eu acreditar que passaria, e isso não veio de mim no começo. Sendo sincero, isso foi acontecer uma semana antes da prova, por causa das conversas que tive com o Martinez. Sei que pra quem se esforça pra algo, a cobrança interna é maior, me senti assim, com medo de não passar porque decepcionaria professores, amigos, família e a mim mesmo, porque me esforcei pra algo e não fui capaz de alcançar o que queria. Algumas coisas que aprendi no cursinho e que vou levar pra vida, é que uma nota não mede inteligência e um resultado, uma reprovação, não vai mudar o que pensam sobre mim. Talvez quem esteja de fora, sem acompanhar o teu estudo, se decepcione. Mas quem te acompanha, quem realmente tá perto e vê o teu crescimento, sabe que uma nota não significa tanto quanto parece, mais importante do que isso é tu te sentir bem contigo mesmo, saber que te esforçou mais do que normalmente se esforça e lutou pelo que quer, saber que tu amadureceu. É difícil saber quando chegou no limite e aquele foi o máximo, ainda não sei se fiz tudo o que podia fazer, se eu poderia ter abandonado mais alguma coisa e me dedicar mais, o que eu tenho certeza é que eu realmente quis passar, sei que até agora nunca estudei tanto quanto estudei no ano da prova e que abandonei muitas coisas. Não te preocupa em decepcionar ninguém, uma nota não diz nada. Algumas coisas que me marcaram foram duas frases, Eu nunca duvidei de ti- Martinez. Quando liguei pra ele falando que passei, numa quarta às 10 da manhã, quando saiu o resultado. Alguém tem que passar, porque não vocês? - Miriam.

 

             BRUNO RODRIGUES - EsPCEx